POR QUE ORGÂNICO?

Para o bem do bebe, para você e o meio ambiente. Confira!



ALGODÃO COMUM

Como o algodão não é alimento, muitos produtores abusam dos agroquímicos para maximizar a produção e o lucro das lavouras. São tóxicos que deixam resíduos no produto e entram em contato com a pele do seu bebê. Nada bom, né?

A pele do bebe é 5 vezes mais fina que a adulta, é mais porosa e com isso absorve mais facilmente toxinas que podem causar dermatites diversas, desde simples irritação até alergias e eczemas, além de danos internos, que podem ser cumulativos.

Além disso, as fibras de algodão comum passam por tantos processos industriais como lavagens sucessivas, branqueamento, amaciamento e outros, que são danificadas já nas primeiras 20 lavagens, ficando bem menos econômico que o algodão orgânico: 100 lavagens para começar a desgastar.




 

ALGODÃO ORGÂNICO

>  nenhuma das desvantagens do algodão tradicional

>  natural e sem toxinas

>  antialérgico

>  bebê pode morder a vontade

>  100 lavagens para começar a desgastar

>  melhor custo benefício ($$)

 

                                     

 



PARA O MEIO AMBIENTE 

Agroquímicos e outros processos artificiais usados na produção do algodão comum acabam destruindo a biodiversidade no campo, e ainda ameaçam a saúde de quem trabalha na lavoura e manuseia o produto depois. Com o algodão orgânico, isso não ocorre.

Algodão orgânico gera 46% menos carbono (aquecimento global), não usa sementes transgênicas, não degrada o solo (rotação de culturas), melhora a qualidade de nossa agua.

 

“Agricultura orgânica é o sistema de produção em que as necessidades das plantas são supridas através de ingredientes encontrados na natureza.O trabalho consiste em harmonizar a cultura com seu entorno, permitindo um maior equilíbrio no sistema.O conceito é holístico, e implica num maior conhecimento de seus componentes e de suas interações.Ao invés de fertilizar a planta que se quer cultivar, nutre-se o solo que a sustenta. Ao invés de combater uma doença ou praga com um produto específico, aumenta-se a biodiversidade para que os organismos se equilibrem naturalmente. Convive-se com um certo nível de danos às culturas, para evitar desequilibrar o meio.Para o consumidor, o resultado são produtos mais naturais, sem resíduos de agrotóxicos, que afetam a saúde de forma silenciosa.Para o agricultor, o resultado é o acesso a um mercado mais seletivo e que remunera melhor, além da a ausência de contato com os mesmos agrotóxicos, ou seja, saúde preservada.Para o meio ambiente, temos um solo mais orgânico e equilibrado, maior variedade de plantas, insetos e toda a cadeia alimentar que dali se origina, além de corpos d’água sem contaminantes.”